Não é incomum que sites de finanças/economia, corretoras, bancos e até gestores de fundos de investimento disponibilizem uma “carteira recomendada de ações” na internet. À primeira vista, essas carteiras visam proporcionar aos clientes, e outros interessados, opções de empresas para investimento buscando um retorno maior que o índice Bovespa. Porém, em uma análise mais cuidadosa, podemos notar alguns conflitos de interesses que podem não ser tão bons para quem segue essas recomendações.

Dados de julho de 2019 mostram que há 1.221.590 investidores Pessoa Física na Bolsa. Pelo menos 430 mil dessas pessoas começaram a investir em 2019 (Fonte: B3). Não é arriscado supor que essas 430 mil pessoas decidiram começar a investir na Bolsa de Valores em busca de ganhos superiores ao da Renda Fixa. O cenário de juros baixos e a eterna promessa de que o cenário econômico vai mudar depois de eleições encorajam as pessoas a arriscar um pouco mais nos investimentos em busca de rentabilidades mais altas.

O problema é, ao meu ver, que a grande maioria dessas pessoas podem estar encarando a Renda Variável da maneira errada.

Muita gente acha que rendimentos maiores que a Renda Fixa é obrigatório, não estão preparadas para rentabilidades negativas, não têm paciência para investir no longo prazo, querem colocar muito dinheiro de uma vez e não têm um bom método para escolha de empresas que sejam compativeis com o objetivo de cada uma delas.

Infelizmente, para superar esses problemas, as pessoas buscam o imediatismo. Logo vão atrás de “dicas” e “recomendações” de analistas de mercado, youtubers e da corretora de valores. Cada uma dessas partes que eu citei tem interesses que podem ser diferentes do seu. O analista de mercado pode querer te fisgar para ser mais uma “sardinha” na bolsa (aquele pequeno investidor que tenta acompanhar os grandes, chamados de “tubarões”) e ganhar dinheiro em cima de você assinando relatórios e assinatura de análises, os youtubers de grande influência, e até mesmo amigo dos donos das empresas, não hesitam em mostrar como a empresa é linda e legal, mas nunca fala dos fundamentos.

Já as corretoras são as mais perigosas, porque essas recomendações são as mais variadas possíveis e feitas para você sempre fazer uma operação na bolsa e elas morderem seu bolso com a corretagem. É muito fácil achar corretoras (e sites de propriedade das corretoras) fazerem recomendações: da semana, do mês, do semestre, de dividendos, de day-trade, longo prazo, médio prazo, se o dólar subir, se o dólar descer, se a reforma XYZ for aprovada no congresso, se chover ou se fizer sol.

As carteiras de corretoras são baseadas em notícias e previsões, não foram criadas com base nos fundamentos das empresas e nem no seu perfil de investidor. Até mesmo na bolsa existem os conservadores e agressivos. Creio que em um futuro muito próximo, robôs operadores na bolsa farão sua carteira personalizada de acordo com o seu perfil e objetivos, mas acredite: eles custarão muito caro.

Hoje conheci um perfil no Instagram que decidiu escolher semanalmente e mensalmente ações de maneira completamente aleatória e comparar essa “carteira” com as recomendadas por corretoras e sites, veja abaixo.

Screen Shot 2019-09-02 at 20.38.13.png
Veja lá no @monkeystocks no Instagram.

Veja que a carteira de ações aleatórias (Monkey Stocks) foi muito superior ao dessas duas corretoras. Não foi necessário um time de analistas de mercado com os mais variados MBAs em universidades estrangeiras, nem gestores de fundos de bilhões de reais para ter rendimentos altos desde janeiro deste ano.

Bastou apenas um cara e uma ferramenta de sorteio gratuita para bater todos esses analistas e “especialistas em mercado”.

Reconheço que tudo fica mais fácil quando a tendência atual do mercado é de alta, estou bastante curioso pra ver como essa carteira vai se comportar em anos de queda na bolsa.

Isso quer dizer que você deve seguir a carteira aleatória de ações?

NÃO

Esse exemplo foi apenas para mostrar como essas “dicas” não valem sua atenção. Esqueça que elas existem.

Seu esforço e tempo devem ser focado em três coisas antes de investir na bolsa de valores:

  1. Definir seu objetivo;
  2. Estudar um método para atingir tal objetivo;
  3. Aplicar o método.

Seu objetivo pode ser de aposentadoria, complementar a renda, especular, etc. Não importa qual seja, o importante é definir. Depois busque qual método é o mais indicado para atingí-lo. Aprenda ele e depois aplique. Só assim você saberá exatamente o que quer, e o como vai atingir.

E qual a maneira correta de utilizar essas recomendações?

Ao meu ver, você só deveria consultá-las se você for um completo iniciante na bolsa de valores. Sabendo das ações que estão em cada uma das carteiras, você terá um passo inicial para começar as suas análises pessoais de cada empresa e saber se elas entram nos seus critérios (dividentos, governança, setor de atuação, payout, etc.)

Lembre-se: que coloca a ordem de compra e venda é você. É o seu dinheiro que está em jogo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s