O Conto da Aia é um romance distópico escrito pela canadense Margaret Atwood. Ele se passa na república Gilead, anteriormente conhecida como Estados Unidos da América, tornada em um estado totalitário e teocrático. O livro como um todo é muito intrigante e cheio de provocações. Nos questiona sobre nossas liberdades individuais, sobre nossas ambições e sobre como os direitos que conseguimos não são permanentes.

A citação de hoje nem estava nas que eu havia selecionado para escrever alguns pensamentos em torno delas. A vi entre as fotos de uma amiga e me pareceu quase óbvio começar por ela. Durante toda a leitura, eu tive uma sensação diferente de outros livros sobre futuros distópicos. Esse parece tão próximo da realidade que causava uma certa angústia. E a frase traduz bem essa sensação.

“Nada muda instantaneamente: numa banheira que se aquece gradualmente você seria fervida até a morte antes de se dar conta.” – Offred, em O Conto da Aia.

Nos perdemos nos processos gradativos e não temos atenção para os detalhes. Deixamos passar pequenas atitudes, falhas, costumes, sejam individuais ou coletivos, e antes que possamos perceber as suas consequências, chegamos ao futuro com todos os reflexos das migalhas que passaram por nossa peneira. E ainda mais imperceptivelmente, criamos justificativas para não ter mais perícia e continuar ignorando essas migalhas. Um ciclo autossustentado por nosso comodismo. Enquanto mantemos a guarda baixa imaginando que a sociedade aprendeu com os erros e jamais repetiria episódios como o Holocausto e muitos outros horrores, fechamos os olhos para as partes pequenas das engrenagens do caos.

Mas antes que tudo seja observado por um viés de pessimismo, o mesmo se aplica para o crescimento pessoal. Pequenos detalhes de atitudes de crescimento, de serviço e de construção adicionados gradativamente à nossa rotina também nos leva a bons frutos sem que sintamos necessariamente mudanças bruscas. Ao nosso alcance está a possibilidade de se munir de conhecimento, aguçar a percepção e não subestimar os detalhes. Afinal, como já foi mencionado anteriormente, não podemos prever se o bater de asas de uma borboleta no Brasil causará um furacão no Texas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s